×
Procurar

06 de janeiro de 2017

Estávamos sentadas em volta da lareira quente, nossos cadernos abertos, canetas preparadas, olhos aguardando ansiosamente a sabedoria da nossa líder de ministério feminino. Havíamos nos juntado para uma reuniāo vespertina de reflexão, aprendizagem e compartilhamento. O primeiro semestre dos pequenos grupos havia passado muito rápido; agora era a hora das líderes avaliarem como havia sido. Estāo as mulheres crescendo em sua fé? Discernimos uma avidez para ler a Palavra? Estāo as mulheres se comprometendo com a vida da igreja?

Nossa líder começou a tocar no assunto da oração. Como estava a temperatura dos grupos? Arrancar pedidos de oração de nossas mulheres era algo demasiado difícil? Ou estavam as mulheres ansiosas por compartilhar seus corações umas com as outras?

Muitas de nós concordamos que o tempo de oração, era semelhante a uma visita ao dentista. Tínhamos muitas orações do tipo “Tia Marta”.

Orações tipo Tia Marta—pode-se reconhecê-las. São pedidos de oração que evitam qualquer indício de vulnerabilidade, sejam lutas ou alegrias, concentrando-se em vez disso em “minha tia Marta que está doente. Por favor, orem por sua saúde”.

Uma observação antes de continuar: Pedir oração por outras pessoas é uma coisa maravilhosa. Revela um coração solidário de alguém que pensa nas necessidades dos outros antes de suas próprias. Há poder em orar pelos outros, por isso, devemos fazê-lo, certas de que Deus nos ouve.

Por “orações tipo Tia Marta”, estou me referindo a pedidos de oração que permanecem os mesmos, semana após semana, que ocultam nossas verdadeiras lutas e não estāo ligadas diretamente à nossa relação com Cristo. Pode se lembrar de “orações tipo Tia Marta” que se infiltraram em seu pequeno grupo?

O que deve fazer uma líder de pequeno grupo?

Descobri três maneiras úteis de incentivar as participantes a apresentarem pedidos que envolvam assuntos pessoais, centrados na Escritura, e às vezes até sensíveis.

1. Dê o exemplo.

Algo surpreendente acontece quando uma líder se expressa sinceramente: Ela estabelece um nível de confiança que incentiva as ouvintes a seguir o exemplo. O autor de Hebreus escreve: “Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos falaram a palavra de Deus, e, atentando para o êxito da sua carreira, imitai-lhes a fé.” (13.7). Líderes têm grande influência e, quando a usam de forma adequada, podem alavancar esta influência para ajudar as pessoas a crescerem em devoção a Cristo. Se oferecemos nossas próprias necessidades, lutas, louvores, e até mesmo falhas, encorajaremos outros a fazerem o mesmo.

2. Reformule o pedido.

Um método que funciona bem envolve a reformulação das “orações tipo Tia Marta”, numa tentativa de compreender o sentimento por detrás do pedido. Por exemplo, se uma mulher pede oração por “sua amiga que precisa de emprego”, poderíamos perguntar: “Especificamente, como você poderia ser de valia para sua amiga nesta semana, e como podemos orar por você nesta área?”

Mais uma vez, nāo queremos dar a impressāo que um pedido de oração está errado ou que nāo tem importância; certamente é correto elevarmos os outros ao Senhor. Mas também queremos incentivar a cada pessoa a sondar seu próprio coração. Reformular o pedido original fazendo perguntas de acompanhamento, é uma forma de sondarmos mais a fundo e um convite a uma profundidade maior.

3. Acione as Escrituras.

A Palavra de Deus é verdade santificadora (João 17.17), portanto podemos confiar que orar o texto das Escrituras trará frutos e nos alinhará com a agradável e perfeita vontade de Deus (Rm. 12.2). Incentive os membros de seu grupo a escolherem um versículo ou texto da Bíblia que ilustre:

Uma maneira em como gostariam de, mais e mais, se conformarem à imagem de Cristo.
Uma promessa da qual necessitam se recordar.
Um atributo da pessoa de Deus que queiram conhecer mais profundamente.
Um preceito que desejem aplicar a uma área de luta, dor ou tentação.
Pode-se pedir a cada uma que escreva num papel o texto e o compartilhe com uma outra pessoa, tornando-as parceiras de oração durante aquela semana. Ou pode-se compartilhar os pedidos em voz alta com todo o grupo, e passar o tempo orando as palavras selecionadas da Escritura sobre cada membro do grupo.

Seja qual for a maneira escolhida para incentivar seu grupo a um compartilhar mais profundo, a buscar serem mais diligentes em oração, tenha a certeza de que, em última análise, é o Espírito Santo que cria desejos e labuta em cada crente (Ef. 3.14-19). Confie que a obra de Cristo será concluída em seu pequeno grupo, ore frequentemente pelos membros de seu grupo e continue a ser um exemplo digno de imitação.

Traduzido por Victor San.

CARREGAR MAIS
Loading