×
Procurar

Tenho 39 anos, sou pastor e adoro escrever. Mas até agora, só escrevi uma dissertação não publicada, um pequeno livro intitulado “How to Pray for Your Pastor” [Como Orar Pelo Seu Pastor], e um livro recente, “Strong and Courageous: The Character of Calling of Mature Manhood” [Forte e Corajoso: O Caráter e o Chamado da Masculinidade Madura]. Tenho mais ideias para livros e espero servir à igreja escrevendo mais algum dia. Mas agora é difícil encontrar tempo. Tenho esposa e três filhos pequenos, uma congregação cheia de pessoas a quem amo, amigos e familiares a quem quero dedicar tempo e atenção.

Mas não estou desanimado.

O conselho de Tim Keller para jovens pastores sobre escritos me ajudou. Ele sugeriu que, de um modo geral, a época para um pastor escrever livros deve vir mais tarde na vida, após have acumulado anos de estudo, ensino e experiência pastoral. Keller escreveu que dedicar-nos a escrever livros nos primeiros estágios do ministério pastoral, arrisca ser contraproducente, porque nos distrai daquilo que nos tornará escritores melhores no futuro.

O Modelo Bíblico

Encontrei também muita ajuda na Bíblia, particularmente no evangelho de Lucas. A introdução de Lucas fornece um modelo digno para o ministério de escrita de um pastor.

Quando Lucas apresenta sua razão pela qual escreveu um Evangelho, ele diz que foi somente “depois de acurada investigação de tudo desde sua origem” (1.3) que ele colocou a mão na massa.. Lucas pesquisou pacientemente, reuniu materiais e examinou o trabalho de outros antes de começar.

Pode-se dizer que este não é um insight brilhante. Claro, exceto que Lucas estava escrevendo sobre a pessoa mais importante do universo e o evento central da história da humanidade. Não deveria ele ter escrito e publicado sua obra o mais rápido possível?

“O mundo necessita desta informação”, podemos imaginá-lo exortando seus contemporâneos. No entanto, Lucas não entrou em pânico. Não buscou produtividade instantânea — com medo de perder uma oportunidade. Preparou-se, estudou e escreveu.

Creio que há sabedoria aqui para aqueles que aspiram escrever para edificar a igreja: Apesar da urgência sem precedentes de sua mensagem, Lucas foi paciente e cuidadoso.

Especialista em Seu Tema

Só porque você tem uma ideia e um laptop não significa que está qualificado para escrever um livro. Só porque Lucas tinha acesso a materiais para escrever e morava perto de Jerusalém, quando outros homens estavam escrevendo seus Evangelhos, também não o qualificava para escrever.

Lucas tinha algumas credenciais importantes.

Ele era companheiro de Paulo, o que lhe dava uma riqueza de informações confiáveis sobre a vida de Cristo, para não mencionar uma crescente compreensão do cumprimento do Antigo Testamento na obra redentora de Jesus. O sólido discipulado por um cristão mais velho e sábio parece ser um bom pré-requisito para escrever livros.

Lucas tinha competência para pesquisar seu tema. A simples realização de pesquisas não qualifica uma pessoa a escrever. A capacidade de compilar os recursos certos e fazer as perguntas certas é uma habilidade que requer atenção constante. É possível acumular uma garagem cheia de material e ainda assim não saber como filtrá-la para fazer uma contribuição útil. Talvez haja necessidade de mais tempo para cultivar a importante habilidade da pesquisa.

Lucas estava comprometido com a veracidade das Escrituras. Se tiver dúvidas quanto à confiabilidade da Bíblia ou se Jesus é Deus ou se a expiação é completa ou se a justificação é pela graça somente pela fé, por favor pare de escrever. Não estou sugerindo que os cristãos não podem se debater com a veracidade da fé, especialmente em um mundo que se opõe violentamente ao ensino bíblico. Mas aqueles que estão se debatendo com princípios fundamentais do cristianismo não estão em posição de escrever um livro ou de servir no ministério pastoral. Lucas estava convencido da realidade de Cristo e da integridade de seus ensinamentos e estava qualificado para escrever sobre ambos.

Motivado por Preocupação Pastoral

Note também que Lucas escreveu, não para apenas satisfazer um capricho literário, mas para fortalecer a fé de Teófilo: “me pareceu bem…dar-te por escrito…para que tenhas plena certeza das verdades em que foste instruído”(Lc 1.3–4).

Sem dúvida, Lucas desejava reforçar a fé de um companheiro cristão, portanto acrescentou detalhes históricos e exercitou cuidado teológico com o seu Evangelho. Embora Lucas não fosse pastor, seus escritos são um exemplo de rigor acadêmico motivado por genuína preocupação pastoral.

Não creio que as Escrituras deem sustentação para escritos cristãos desconectados de preocupações pastorais. Mesmo um estudioso especializado em teologia técnica, deve ter como primeiro impulso o de escrever para servir à igreja. Quer isto signifique equipar outros ministros, edificar e fortalecer os crentes, ou persuadir os incrédulos da verdade do evangelho, a motivação para escrever deve ser pastoral.

Não estou dizendo que sua obra necessita ser atraente para qualquer tipo de cristão ou qualquer nível intelectual. Mas o objetivo deve ser enriquecer os leitores espiritualmente. Se estiver escrevendo baseado num desejo de ver seu nome na capa brilhante de um livro de bolso, isto não ajudará os outros, mas provavelmente o fará colher uma colheita espiritualmente estéril e lhe trará o fruto mortal do orgulho.

Seja Pessoal

Tal como outros autores do Novo Testamento, a principal contribuição canônica de Lucas começou como uma carta pessoal. Da mesma forma, devemos trabalhar pelo bem daqueles que Deus colocou aos nossos cuidados e confiar que os frutos para a obra escrita virão de uma atenção concentrada para nossas tarefas pastorais.

Quando me deparo com a escolha de começar um livro ou escrever um longo e-mail para um membro da igreja que esteja se debatendo com um pecado ou com uma questão teológica, é difícil justificar o projeto do livro. Ainda estou escrevendo diariamente, pensando e pesquisando, mas isto é para o cuidado imediato da minha igreja. E guardo bem indexados estes e-mails, juntamente com minhas lições de estudo da Bíblia, sermões, notas de aconselhamento e diários pessoais, porque talvez eles sirvam como material para um livro útil algum dia.

Mas agora, o meu trabalho principal é o ministério da Palavra de Deus e da oração na Grace Bible Fellowship.

Desacelere

Há grande valor em produzir novos livros de teologia, comentários bíblicos e obras sobre a vida cristã. Novas vozes estimulam a mente, estimulam conversas sobre tópicos adormecidos e alcançam pessoas que, de outra forma, poderiam permanecer não alcançadas. Não estou procurando estabelecer regras que determinem quais pastores devem escrever e quanto devem escrever, e não tenho palavras para agradecer a homens como John Piper e Kevin DeYoung, que iniciaram sua produção literária cedo.

Mas, de modo geral, penso que os pastores deveriam desacelerar e reconhecer que nossas contribuições escritas mais substanciais podem vir mais tarde. A maturidade da vida, a sabedoria espiritual, a pregação regular, o tempo com nosso povo e muito brincar com nossos filhos nos ajudarão a produzir obras que são muito mais benéficas para o corpo de Cristo do que o que de outra forma poderíamos ter escrito.

Basta perguntar a Teófilo.

 

Traduzido por Pedro Henrique Aquino

CARREGAR MAIS
Loading