Por que a Hospitalidade é Importante na Plantação de Igrejas

Unsplash

A hospitalidade é tão importante que Paulo a inclui na lista de qualificações para a liderança pastoral (1Tm 3.2; Tt 1.8). Mesmo assim, é negligenciada. Alguns pastores são tão diligentes em “não trazer assuntos do ministério para casa” que acabam por evitar praticar a hospitalidade.

Líderes centrados no evangelho devem ser um exemplo de hospitalidade. Ao abrirmos nossos corações e casas para outros em hospitalidade, vivenciamos a comunhão na comunidade cristã (Rm 12.13; 1Pe 4.9) e por ela podemos exercer o ministério de misericórdia e o evangelismo para com aqueles que estão fora da comunidade cristã (Lc 14.12).

Costumo dizer a futuros plantadores de igreja que, “De várias maneiras, a plantação de igreja se centra no aprender a praticar bem a hospitalidade. Se centra no conhecer, acolher, ouvir e amar as pessoas”.

Um plantador de igreja em Detroit compartilhou comigo seus esforços para criar “valor palpável” nos primeiros dias de seu trabalho. Ele começou a grelhar salsichas na frente de sua casa todas as sextas-feiras à noite durante o verão. Ele se esforçou muito para desenvolver relacionamentos em um lugar difícil, e uma das principais formas de conseguir esses relacionamentos foi a hospitalidade.

Outro amigo, plantando uma igreja em uma região pobre de Raleigh, colocou uma cesta de basquete na frente de sua casa e encheu seu refrigerador de picolés. Não é raro ele ter entre oito a dez garotos da vizinhança em sua casa jogando basquete, bebendo limonada ou sentados em seu sofá assistindo futebol no domingo. Sua hospitalidade abriu diversas outras portas para alcançar a região.

Motivados Pelo Evangelho

A boa hospitalidade é uma decorrência do evangelho. No evangelho, Deus é hospitaleiro para conosco. No início da Bíblia, observamos Deus cuidando de Adão e Eva no jardim.

Ao traçarmos a narrativa bíblica, percebemos Deus cuidando de seu povo no deserto. O povo de Deus deve acolher o estrangeiro, tal como Deus acolheu seu povo (Lv 19.34). Deus sustenta o seu povo até que ele o leva à terra “que mana leite e mel”. Deus acolhe, abriga, cuida, provê e abençoa.

Podemos observar a hospitalidade no ministério de Jesus. Ele deu prioridade à se sentar para comer com as pessoas. Robert Karris diz que “No evangelho de Lucas, Jesus ou está indo para uma refeição, ou está em uma refeição ou está vindo de uma refeição”. Jesus foi rotulado como “… um comilão e um beberrão, amigo de publicanos e ‘pecadores’” (Lc 7.34). Ele confraternizou com as pessoas odiadas pela sociedade, como Levi e Zaqueu (Lucas 5.27-32; 19.1-10). Depois de sua ressurreição, Jesus parte o pão com seus discípulos (Lc 24.30). E agora, por meio de uma refeição, nos recordamos de seu sacrifício e ansiamos por sua volta (Mt 26.26-29; Mc 14.22-25; 1Co 11.23-26).

A igreja primitiva exibiu hospitalidade de diversas maneiras, expressa por todo o livro de Atos e no Novo Testamento. A Bíblia termina com uma gloriosa visão de um grande banquete matrimonial (Ap 19.7) e com Deus habitando com seu povo (Ap 22). Há um convite para “aquele que tem sede” vir a Deus e ser satisfeito para sempre (Ap 22.17). Que Deus gracioso e hospitaleiro!

6 Maneiras de Crescer na Hospitalidade Nutrida pelo Evangelho

Para praticar bem a hospitalidade, necessitamos depor nossos ídolos e examinar nosso contexto.

1. Aumente Sua Lista de Convidados

Jesus sacudiu o mundo das pessoas quando disse:

“Disse também ao que o havia convidado: Quando deres um jantar ou uma ceia, não convides os teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem vizinhos ricos; para não suceder que eles, por sua vez, te convidem e sejas recompensado. Antes, ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos.”. (Lc 14.12-14)

Jesus já havia repreendido os convidados da festa (Lc 14.7-11); agora ele corrigiu o anfitrião.
Quando der uma festa — natal, aniversário ou algum evento importante — convide aqueles que não podem retribuir. Convide os marginalizados. Então, você será recompensado “na ressurreição dos justos”. Jesus transforma eventos ordinários dando-lhes significado eterno.

2. Sirva os Outros, ao Invés de Tentar Impressioná-los

Muitas pessoas confundem a hospitalidade com “entretenimento”. Entreter, com frequência, se centra no anfitrião e não nos convidados. Se torna ostentação, e não serviço. É possível ser atencioso sem ser extravagante. Não é necessário impressionar as pessoas com serviços de mesa finos e comida caras. Busque ser acolhedor ao invés de tentar impressionar.

O objetivo não é chamar a atenção para si mesmo, mas para Cristo.

3. Rejeite a Mentalidade “Minha Casa é Meu Refúgio”

Jesus é o nosso refúgio. Qualquer outra coisa que se tornar nosso “refúgio” será idolatria. Quando se trata de nossas casas, devemos pensar em mordomia ao invés de ser nossa propriedade. Uma casa é um lugar para acolher e amar os que estão magoados. Exercer a hospitalidade reflete os valores do reino de Deus, dando às pessoas uma amostra daquilo que está por vir.
Se sua casa for pequena, pense sobre outras maneiras de acolher e ser hospitaleiro, especialmente com vizinhos mais recentes. Mostre a cidade para eles. Dê conselhos sobre lugares para comer, fazer compras e se divertir na sua região. Apresente-os à sua família da igreja.

Fique atento com aquela pessoa solitária na sua igreja. Convide-a para comer depois do culto ou para saírem durante a semana.

4. Fique Atento às Necessidades, Gostos e Preocupações das Pessoas

Surpreenda os convidados com suas comidas e bebidas favoritas. Abasteça-os com coisas das quais necessitam. Estes pequenos gestos deixarão uma impressão duradoura sobre os seus convidados. Não precisa ser algo caro, basta um gesto atencioso para demonstrar o seu carinho.

Tais passos são ótimos caminhos para conversas futuras. Preste atenção às questões mais íntimas do coração: medos, sonhos, esperanças e problemas de uma pessoa. Devemos aprender a como “responder a cada um” (Cl 4.6) ao invés de apenas recitar o mesmo a todos que encontramos.

5. Não se Sinta Constrangido a Imitar as Práticas de Outras Pessoas

Atualmente, minha esposa é anfitriã de um clube do livro em nossa casa. Não é um “clube do livro cristão”, mas um grupo de senhoras de nossa vizinhança que, juntas, leem livros populares. Elas comem algo e debatem sobre o livro que foi selecionado para o mês.

Eu treino um time de basebol. Isso me permitiu me relacionar com muitos pais. Talvez você possa cozinhar (ou talvez precise aprender!).

Não importa o que você faça, faça com intencionalidade pelo evangelho e com sensibilidade cultural. Áreas urbanas muito densas são diferentes de áreas periféricas. Áreas perigosas são diferentes de áreas seguras. Faça uma boa hospitalidade contextual.

6. Cumprimente Calorosamente, Envolva-se Sinceramente, Despida-se Atenciosamente

As saudações e despedidas no Novo Testamento sempre me impressionaram (At 20.36; 21.5-6; Rm 16.16). Elas são repletas de cordialidade, de amor e significado.

Quando alguém for à sua casa, cumprimente-o carinhosamente. Tome seu casaco. Ofereça algo para eles beberem. Dê a eles um lugar para sentar. Quando conversar com as pessoas, pergunte sobre a vida delas. Não faça com que tudo se centre sobre si mesmo. Deixe o celular de lado. Dirija a atenção à graça de Jesus.

Quanto eles estiverem pronto para sair, caminhe com eles até a porta ou até mesmo até o carro. Convide-os para voltarem. Todos esses gestos comunicam importância e amor. As pessoas se lembrarão disso.

Seja um Bom Convidado

Você aprenderá a demonstrar boa hospitalidade ao aprender a recebê-la. Seja grato pela generosidade das pessoas. Escreva uma mensagem ou e-mail de agradecimento ao anfitrião. A hospitalidade flui de um coração grato e humilde.

Quando receber hospitalidade, aprenda com a hospitalidade dos outros. Sua hospitalidade aumentará ao buscar aprender com os outros com humildade.

Por fim, medite sobre a bondade de Deus. Éramos órfãos, mas Deus nos adotou em sua família. Éramos estrangeiros sem terra, mas fomos trazidos ao reino. Éramos viúvas, mas Jesus se tornou nosso noivo. Éramos pobres, mas agora temos uma herança gloriosa. Éramos peregrinos na terra, mas Jesus foi preparar um lugar para nós. Regularmente, maravilhe-se com essa graça e lembre-se que a resposta adequada à graça de Deus é graça — uma vida inteira de gratidão, generosidade e hospitalidade.

 

Traduzido por Abner Arrais

Compartilhar
CARREGAR MAIS
Loading