×
Procurar

Quem são os teólogos mais importantes e influentes da história do cristianismo?

Se tivéssemos de fazer uma lista com só cinco nomes, quem escolheríamos?

Depois de ter discutido o assunto com vários alunos, professores e teólogos do seminário, escolhi cinco teólogos que influenciaram de forma mais duradoura a teologia e a prática cristãs.

ATANÁSIO DE ALEXANDRIA

Viveu de 298 a 373.

Obras mais importantes:

  • Sobre a Encarnação do Verbo (317)
  • Credo de Niceia (325)

Maiores contribuições:

Defensor incansável da teologia da Trindade contra o arianismo. Na verdade, grande parte de nossa maneira de pensar a Trindade vem do trabalho de Atanásio.

Sua biografia de Antônio, o Grande, inspirou o movimento monástico.

Foi o primeiro a identificar os 27 livros que compõem atualmente o Novo Testamento.

Principal autor do Credo de Niceia, indiscutivelmente o credo mais importante da história do cristianismo.

Citações favoritas:

“O Jesus que conheço como meu Redentor não pode ser inferior a Deus.”

“O Filho de Deus tornou-se homem para que os homens pudessem se tornar filhos de Deus.”

“Você não pode endireitar no outro o que está deformado em você mesmo.”

“[Cremos] em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, gerado unigênito do Pai, isto é, da substância do Pai; Deus de Deus, luz de luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não feito, consubstancial ao Pai; por quem foram feitas todas as coisas que estão no céu ou na terra. O qual por nós homens e para nossa salvação, desceu, se encarnou e se fez homem. Padeceu e ressuscitou ao terceiro dia e subiu aos céus. Ele virá para julgar os vivos e os mortos…” — extraído da versão do ano 325 do Credo de Niceia.

AGOSTINHO DE HIPONA

Viveu de 354 a 430.

Obras mais importantes:

  • Confissões (398)
  • Sobre a Trindade (416)
  • Sobre a Doutrina Cristã (426)
  • Cidade de Deus (426)

Maiores contribuições:

Articulou a doutrina do pecado original e da graça de Deus por meio da predestinação divina contra a ênfase de Pelágio no livre arbítrio do homem e sua bondade inata.

Propôs uma distinção entre a “igreja visível” e a “igreja invisível”.

Popularizou a visão amilenista do fim dos tempos, que se tornou a mais dominante em toda a história da igreja.

Escreveu sobre a relação entre igreja e Estado; ele foi o primeiro a defender a ideia de uma “guerra justa”.

Desenvolveu uma teologia sobre os sacramentos que formaria a base das práticas da Igreja Católica Romana.

Citações favoritas:

“Fizeste-nos, Senhor, para ti, e o nosso coração anda inquieto enquanto não descansar em ti.” (Confissões I, i, 1).

“Dá-me aquilo que ordenas, ordena-me aquilo que queres.” (Confissões X, xxix, 40).

“O criador do homem foi feito homem para que ele, Soberano das estrelas, amamentasse no seio de sua mãe; para que o Pão tivesse fome; a Fonte, sede; a Luz, sono; o Caminho, cansaço em sua jornada; para que a Verdade fosse acusada de falso testemunho; para que o Mestre fosse açoitado com chicotes; para que o Fundamento fosse pendurado no madeiro; para que a Força enfraquecesse; para que Aquele que cura fosse ferido; para que a Vida morresse” (Sermões 191.1).

“O excesso é inimigo de Deus.”

“Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no evangelho que você crê, mas, sim, em si mesmo.”

“Cantar uma vez é orar duas vezes.”

“Ame a Deus e faze o que queres.” (Homilias 7 e 8 em 1João).

“Obras não enraizadas em Deus são pecados esplêndidos.”

TOMÁS DE AQUINO

Viveu de 1225 a 1274

Obras mais importantes:

  • Suma teológica (1274)
  • Suma contra os gentios (1264)

Maiores contribuições:

Creu que uma combinação de fé e razão leva ao verdadeiro conhecimento de Deus.

Buscou provas racionais para a existência de Deus.

Influenciou grandemente as noções católicas de pecado mortal e pecado venial.

Popularizou a visão em voga da Ceia do Senhor conhecida como “transubstanciação”.

Foi apologista do cristianismo numa época em que o islamismo crescia rapidamente.

Citações favoritas:

“Todos os esforços da mente humana não podem esgotar a essência de uma única mosca.”

“A única maneira de vencer um adversário da verdade divina é com a autoridade das Escrituras.”

“A razão possui certas semelhanças com o que pertence à fé, e certos preâmbulos a isto, como a natureza é um preâmbulo para a graça.”

“Em Deus está a pura verdade, com a qual não pode se misturar qualquer falsidade ou engano.”

“Se a razão fosse o único caminho disponível para conhecermos a Deus, a raça humana permaneceria nas mais escuras sombras da ignorância.”

“O conhecimento deve ser pela fé.”

“Todo o bem que está em um homem deve-se a Deus.”

JOĀO CALVINO

Viveu de 1509 a 1564.

Obra mais importante:

  • As Institutas (1560)

Maiores contribuições:

Enfatizou a visão substitutiva penal da expiação.

Assumiu um compromisso central com a noção agostiniana da soberania de Deus na salvação.

Ensinou que a Escritura deve interpretar a Escritura.

Usou o conceito da Aliança como princípio organizador da teologia cristã.

Citações favoritas:

“Quase toda a sabedoria que possuímos, isto é, sabedoria verdadeira e clara, consiste em duas partes: o conhecimento de Deus e de nós mesmos.”

“Cada um de nós é, desde o ventre materno, especiaista em gerar ídolos.”

“É melhor que eu deixe intocado o que não consigo explicar.”

“Quando o evangelho é pregado em nome de Deus, é como se o próprio Deus falasse em pessoa.”

Deus tolera até mesmo nossa gagueira e perdoa nossa ignorância sempre que algo nos escapa inadvertidamente ― já que, aliás, sem esta misericórdia não haveria liberdade para orar.

Sem o evangelho tudo é inútil e vão;  sem o evangelho não somos cristãos; sem o evangelho toda riqueza é pobreza; toda sabedoria, loucura diante de Deus; toda força, fraqueza; e toda a justiça humana jaz sob a condenação de Deus. Mas pelo conhecimento do evangelho somos feitos filhos de Deus, irmãos de Jesus Cristo, concidadāos dos santos, cidadãos do Reino dos Céus, herdeiros de Deus com Jesus Cristo, por meio de quem os pobres são enriquecidos; os fracos, fortalecidos; os néscios, feitos sábios; os pecadores, justificados; os solitários, confortados; os duvidosos, assegurados; e os escravos, libertados. O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê. Assim, tudo o que poderíamos pensar ou desejar deve ser achado somente neste mesmo Jesus Cristo. Pois ele foi vendido para nos comprar de volta; preso para nos libertar; condenado para nos absolver. Ele foi feito maldição para nossa bênção; ofertado pelo pecado para nossa justificação; desfigurado para nos tornar belos; ele morreu pela nossa vida para que, por seu intermédio, o furor converta-se em mansidão; a ira seja apaziguada; as trevas tornem-se luz; o temor, reafirmação; o desprezo seja desprezado; o débito, cancelado; o labor, aliviado; a tristeza convertida em júbilo; a desdita, em felicidade; as emboscadas sejam reveladas; os ataques, atacados; a violência, rechaçada; o combate, combatido; a guerra, guerreada; a vingança, vingada; o tormento, atormentado; o abismo, tragado pelo abismo; o inferno, trespassado; a morte, assassinada; a mortalidade convertida em imortalidade.

KARL BARTH

Viveu de 1886 a 1968.

Obras mais importantes:

  • Carta aos Romanos (1922)
  • Dogmática Eclesiástica (1968)

Maiores contribuições:

Procurou recuperar a doutrina da Trindade, que havia sido praticamente abandonada pelo liberalismo radical.

Acreditava que a Bíblia era uma testemunha do Verbo de Deus (Jesus).

Entendeu a doutrina da eleição e da predestinação como centradas em Cristo

Sublinhou a natureza paradoxal da verdade divina.

Citações favoritas:

“Deus não é uma categoria abstrata pela qual até mesmo a compreensão cristã da palavra pode ser medida, mas aquele que é chamado de Deus é o Deus uno, o Deus único, o Deus singular.”

“O unir das mãos em oração é o começo de um levante contra a desordem do mundo.”

“A crença não pode discutir com a incredulidade, pode apenas pregar a ela.”

“A melhor teologia não precisa de defensores: ela prova a si mesma.”

“Ninguém pode ser salvo ― em virtude do que pode fazer. Todos podem ser salvos ― em virtude de que Deus pode fazer.”

“Jesus não dá receitas que mostram o caminho a Deus como outros mestres da religião fazem. Ele próprio é o caminho.”

Uma vez, um jovem aluno perguntou a Barth se ele poderia resumir em algumas palavras o que era mais importante no trabalho e na teologia de sua vida. Barth pensou por um momento e depois sorriu:

“Sim, com as palavras de uma canção que minha mãe costumava cantar para mim: ‘Jesus me ama, isso eu sei, pois a Bíblia assim me diz.’”

“Se fiz qualquer coisa nessa minha vida, fiz como parente do jumento que seguiu seu caminho transportando uma carga importante. Os discípulos disseram a seu dono: ‘O Mestre precisa dele’. E assim, parece que aprouve a Deus ter me usado neste momento. […] Permitiu que eu fosse o jumento que carregasse essa boa teologia durante parte do caminho, ou que tentasse levá-la da melhor maneira possível”.

Menções Honrosas

O que se segue é uma lista de menções honrosas: teólogos que impactaram a teologia cristã em aspectos importantes, mas os quais (geralmente por algumas boas razões) não chegaram ao meu Top 5.

Irineu: defendeu apologeticamente o cristianismo histórico em face ao gnosticismo. Ele também popularizou a teoria da recapitulação da expiação.

Anselmo da Cantuária: fundador da escolástica. Formulou o argumento ontológico da existência de Deus.

Martinho Lutero: teve um papel instrumental na Reforma. Ele foi definitivamente um teólogo por mérito próprio, apesar de eu vê-lo mais como um revolucionário do que um teólogo. Calvino foi quem tomou as ideias da Reforma e as sistematizou, portanto, tornou-se mais influente como teólogo.

Friedrich Schleiermacher e Adolf von Harnack: Schleiermacher fez da experiência subjetiva do crente (especificamente o sentimento de dependência total) o centro da teologia e, assim, tornou-se o “Pai do liberalismo”. Juntamente com o trabalho posterior de Adolf von Harnack, ambos causaram um grande efeito. As reverberações continuam a ecoar em toda a teologia cristã.

John Wesley: importante líder de um movimento de renovação dentro do anglicanismo que, ao fim, originou o Metodismo e o Movimento de Santidade (Igreja Evangélica Holiness). Embora provavelmente mereça um lugar no Top 10 ou 15, não acredito que as contribuições teológicas de Wesley lhe rendam uma posição no Top 5.

Jonathan Edwards: eu fosse fazer um Top 5 dos teólogos norte-americanos mais importantes, então Edwards seria provavelmente o primeiro. Um grande pregador e intérprete de teologia puritana, o legado de Edwards projetou uma longa sombra sobre o evangelicalismo norte-americano.

C. S. Lewis: não o considero essencialmente um teólogo. Ele foi um apologista ótimo, e articulou habilmente os fundamentos da fé cristã. Mas dificilmente se pode falar de uma escola teológica “lewisana” que se desenvolveu por causa de suas contribuições.

Em quem mais você pensa? Você acha que eu acertei ou errei?

—-

Traduzido por Daila Fanny

CARREGAR MAIS
Loading