×
Procurar

Nota do Editor: Este artigo é o segundo de uma série múltipla sobre pregação expositiva. A série é parte do nosso Projeto Pregação Expositiva. Os pastores do Conselho TGC estão preparando recursos educacionais gratuitos sobre pregação expositiva, em formatos escritos e de vídeo em seis idiomas estratégicos. Para um tratamento mais amplo de como ouvir uma pregação expositiva, veja o livro de Christopher Ash “Listen Up!” (“Ouça!) Um Guia Prático para ouvir sermões (Good Book Company, 2009). 

Como ouvir um sermão? Pode-se pensar: “Que assunto bobo”. Afinal, seria inútil escrever sobre “como assistir TV.” E ouvir um sermão é ainda mais fácil do que assistir TV, uma vez que não é necessário lidar com o controle remoto. É uma atividade passiva, algo pregado a mim, não é algo que eu faça ativamente.

Ah, mas não é. Após a parábola do semeador, Jesus diz: “Vede, pois, como ouvis” (Lc 8:18). Ele nos diz que se ouvirmos de uma maneira, nos será dado mais, mas se ouvirmos de outra maneira, mesmo o que achamos possuir será tirado de nós. Ouvir sermões é uma questão de vida ou morte. Por isso, consideremos cuidadosamente como ouvir. Aqui estão sete indicações.

1. Tenha a expectativa de que Deus vai falar.

Apesar de estarmos ouvindo ondas sonoras produzidas por cordas vocais humanas, se o pregador está desvelando a Bíblia, então estamos realmente ouvindo a voz magistral de Deus. Pedro escreve sobre o ensino bíblico na Igreja que “se alguém fala, fale como entregando oráculos de Deus” (1 Pe 4.11) E se alguém ouve a um sermão fiel, deve fazê-lo como se ouvisse as próprias palavras de Deus.

Ore durante a semana pelo pregador do próximo domingo. Ore por si e por aqueles que irão à igreja com você. Achegue-se ao sermão com atençāo e tão bem física e mentalmente quanto possível. Aquiete sua mente e coração e tenha a expectativa de que Deus vai falar. “Senhor, fale comigo. Estou ouvindo.”

2. Admita que Deus sabe o melhor e você não.

Quando Timóteo pregou em Éfeso, Paulo advertiu que muitos “não suportarão a sã doutrina”; mas que desejariam que o pregador falasse “coisas agradáveis,…segundo os seus próprios desejos, ” (2 Tm 4.3). Por natureza, todos nós queremos isto. Queremos que o sermão faça com que nos sintamos melhor sobre nós mesmos, aumente a nossa auto-estima, reforce nossos preconceitos preexistentes.

Mas quando Deus fala, ele nos conclama a, dia a dia, semana a semana, a abandonar o pecado e a confiar em Cristo. Conclama-nos a “despojando-vos de toda sorte de imundícia e de todo vestígio do mal, recebei com mansidão a palavra em vós implantada.” (Tiago 1.21). Necessitamos nos colocar sob a Palavra em humildade, não acima dela em julgamento. Deus é Deus e eu não o sou. Portanto, devemos estar prontos a ajustar nossas opiniões, crenças, corações e vidas.

3. Certifique-se de que o pregador diz o que a passagem diz.

Nossa questão é como ouvir um sermão expositivo. Todo sermão deveria desvelar, a partir das Escrituras, o significado que Deus já colocou na Escritura. Neste sentido, todo sermão deve ser expositivo, expondo o que já está lá. A alternativa é a pregação “impositiva”, aquela em que o pregador impõe um significado ao texto. Claro, alguns sermões expõem uma só passagem enquanto outros expõem versículos de mais de um texto. A vantagem do primeiro, é que é mais fácil determinar se o pregador diz o que a passagem diz.

A autoridade do pregador não vem de sua posiçāo (pastor, ministro, ou qualquer outra) ou de sua poderosa personalidade. É uma autoridade inteiramente delegada. Quando ele diz o que a Escritura diz, ele fala com autoridade; quando ele não o faz, não tem nenhuma autoridade. Um amigo meu uma vez me disse que quando seu pastor pregava, ele com a sua Bíblia aberta se perguntava: “De onde ele tirou isto?” É uma boa pergunta. Se posso ver que ele o tirou do texto, entāo devo me curvar e me arrepender e crer; se não veio do texto, não o devo fazer.

Seja humilde, mas não ingênuo. Leia a passagem durante a semana antecedente ao sermão. Pondere-a. Nāo é necessário ser um estudioso para fazer isso. Qual é a idéia principal? O eixo central do sermão é o eixo central da passagem?

4. Ouça o sermão na igreja.

É possível ouvir sermões baixados da Internet, a sós, quando quisermos, de acordo com nossa conveniência. Isso não é uma coisa ruim, mas não é a melhor. O modelo padrão de Deus para o seu povo é de se reunir ( “igreja” significa “assembleia”) e se colocar coletivamente sob a sua Palavra.

Ouvir sermões não é algo entre “eu e Deus”; é algo sobre “Deus nos moldar coletivamente”. Ouvimos juntos. Nos pomos numa situaçāo de responsabilidade mútua. Eu ouvi o sermão; você sabe que eu o ouvi; agora você sabe que eu o ouvi. Você espera que eu responda adequadamente, e eu espero o mesmo de você. Estimulamo-nos uns aos outros, admoestando-nos mutuamente para viver piedosamente ao nos congregarmos (Hb 10.24-25).

5. Esteja lá de semana a semana.

Compareça regularmente à igreja. Respiramos uma atmosfera cultural de anti-compromisso. É tão fácil ficar à deriva entrando e saindo, sentando à margem, como espectadores. Mas o compromisso de congregar consistentemente com a sua família por aliança, é importante. 

Deus não nos dá soluções rápidas que vêm de ouvir um ou dois sermões de domingo; ele molda e modela nossas mentes, nossos corações e nosso caráter consistentemente ao longo do tempo, pelo gotejar frequente da sua Palavra. Necessitamos frequentemente ouvir Cristo ser proclamado. Como Pedro diz, “Pelo que estarei sempre pronto para vos lembrar estas coisas, ainda que as saibais” (2Pe 1.12). Considere manter um registro dos domingos em que você está presente, ou não, na igreja. Poderá chocar-se com quão frequentemente está ausente. Decida estar lá regularmente, tanto para seu próprio bem quanto para o bem daqueles a sua volta.

6. Faça o que a Bíblia diz.

“Sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos”, escreve o apóstolo. Faça o que a palavra manda (Tiago 1.22). O propósito de sermões não é fazer de cada um de nós um sabe-tudo, mas de nos tornar como Jesus. Devemos ser aqueles que “ouvindo a palavra com coração reto e bom, a retêm e dão fruto com perseverança” de um caráter piedoso (Lc 8.15). Não nos achegamos à pregação da Palavra de Deus para nos entreter ou para que nossas células cerebrais sejam desafiadas por imagens intelectuais ou para que nossas emoções sejam influenciadas por uma oratória manipuladora. Nos achegamos para ouvir, para adorar, e para obedecer.

Depois do sermão de domingo, reflita sobre alguma forma concreta de obedecer à Palavra pregada. Faça-o por escrito. Compartilhe-o com alguém. Pode ser algo para começar a fazer ou deixar de fazer. Podem ser palavras a serem ditas, ou pararem de ser ditas. Acima de tudo, será uma atitude ou um desejo de coração. Pode ser útil manter um diário de domingo a domingo. Revise textos anteriores ao longo do tempo e avalie seu progresso. Pergunte-se a si mesmo como Deus está trabalhando em si, através de sua Palavra. Poderá se surpreender e ser encorajado.

7. Hoje, faça o que a Bíblia diz, e alegre-se.

“Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações.” Assim diz o Salmo 95, e assim diz o escritor de Hebreus, citando-o (Hb 3.15). Hoje. Há uma urgência sobre o que ouvimos. Não deixe para amanhã, pois o amanhã poderá nāo chegar.

E então alegre-se. Regozije-se por Deus ter causado a Bíblia ser escrita exatamente como Ele queria. Regozije-se pelas boas novas de tudo o que Ele nos deu em Cristo. Se você é um crente, regozije-se por seu nome estar escrito no céu. Que, cada vez que você se sentar com a sua família por aliança em Cristo para ouvir um sermão, seja um momento de arrependimento renovado, uma confiança renovada e uma obediência renovada ao seu Rei.

Traduzido por Guilherme Cordeiro.

CARREGAR MAIS
Loading