×
Procurar

Sobre o Que Devemos Pregar Durante uma Crise?

A pregação expositoria, que cobre sistematicamente todos os livros da Bíblia, aborda toda a gama de necessidades e experiências que as congregações enfrentam. Ao exporem o conteúdo de livros inspirados pelo Espírito ano após ano, os pastores abordam questões comuns e incomuns encontradas pelas pessoas presentes em suas congregações.

E, às vezes, algo extraordinário acontece. No domingo depois do 11 de setembro, visitando meu filho na faculdade, fomos à Primeira Igreja Batista em Durham, na Carolina do Norte. O pastor Andy Davis pregou sobre o Salmo 46. Seu sermão direcionou nossa atenção ao poder soberano de Deus e à cidade eterna que jamais será destruída. No domingo seguinte, Davis retornou à sua série regular de exposições. A natureza incomum do 11 de setembro exigia um pivô para redirecionar corações temerosos ao Senhor.

Globalmente, algo arrasador acontece na maioria das semanas. Nações enfrentam guerras civis, as tsunamis arrastam milhares de pessoas, os furacões arrasam os litorais, os tornados provocam destruição, as inundações destroem comunidades, terroristas bombardeiam civis, terremotos desmoronam cidades, tumultos explodem sobre a injustiça e doenças devastam países. Devem os pastores abordar estas questões quando elas perturbam o equilíbrio da sociedade?

Esta é uma questão oportuna à luz desta pandemia global.

Princípios Orientadores

Os objetivos de um pastor na pregação semanal devem influenciar estas ocasiões especiais, quando for prudente abordar um grande evento cultural. Qual objetivo deve guiar o ministério regular do púlpito? John Stott, por exemplo, propôs: “A principal responsabilidade do pastor que ‘cuida’ de suas ovelhas é ‘alimentá-las’”.

Aqui estão três princípios orientadores para a alimentação vinda do púlpito em todas as épocas.

1. Pregue a gama inteira da revelação bíblica.

Todos os tópicos necessários serão abordados, à medida em que pastores pregam sobre os diferentes gêneros das Escrituras, ao longo de muitos anos. Esta abordagem força o pastor a abordar questões que ele poderia evitar se pregasse topicamente.

2. A exposição consecutiva ensina a congregação a ler e interpretar as Escrituras.

A exposição expressa uma hermenêutica salutar. Igrejas são laboratórios para a interpretação bíblica, à medida em que membros seguem o sermão em suas Bíblias de uma seção para outra.

3. A exposição consecutiva constrói uma estrutura teológica bíblica para que as congregações aprendam a aplicar corretamente as Escrituras em todos os aspectos da vida.

Tim Keller afirmou: “O objetivo da pregação não é apenas expor a doutrina, mas tornar a doutrina real para o coração e, portanto, torna-la permanente como agente de mudança de vida”.

Esta abordagem segue os argumentos, temas, peculiaridades e singularidade dos escritores bíblicos, de modo que as congregações aprendem a distinguir Gênesis de João, Romanos de 1 Pedro, 2 Samuel de Atos. Eles aprendem para onde se voltarem na Bíblia ao lidarem com a gama de questões endêmicas da vida.

Quando Tudo se Desintegra

Perturbações vão ocorrer. Um membro da igreja querido morre tragicamente, um furacão destrói a comunidade, uma crise afeta a teia social do país, uma pandemia global ocorre. Estas e outras crises podem ser momentos apropriados para pausar brevemente a série de exposição sistemática para apresentar a Palavra de Deus naquele momento de necessidade. Mas antes de alterar impulsivamente a série expositiva, pergunte-se o seguinte:

Estarei eu estabelecendo um precedente ao interromper uma série de exposições programada devido à reação pública a um evento recente? Os pastores precisam medir com que frequência se afastam do estudo regular das Escrituras para abordar um evento cultural ou social. Está o pastor preparado para abordá-lo, ou ele está simplesmente seguindo os pontos de discussão das mídias sociais populares? À luz do ciclo de notícias de 24 horas, será que a congregação ficará com a impressão que as últimas notícias controlam o púlpito, ao invés da história das Escrituras? Interrupções devem ser altamente incomuns, colocando maior valor na exposição semanal através da Palavra.

Será que estou investindo mais tempo pesquisando o evento ou fenômenos culturais do que estudando o texto bíblico? Vivemos em meio a uma abundância de informações — nem todas boas ou precisas. Peneirar montes de material sobre qualquer evento pode consumir o tempo de preparação de um pastor. Irá ele oferecer alguma ajuda da Palavra de Deus ou simplesmente anexar alguns versículos bíblicos e algumas citações teológicas à interminável discussão sobre os eventos do dia? Se fizer isto, poderá impressionar seus seguidores de mídia social, mas não vai ajudar a igreja.

Será que os acontecimentos estão afetando a congregação de tal maneira que se sentem sem perseverança, esperança e alegria em sua caminhada diária com Cristo? Nestas ocasiões, o pastor pode precisar pausar sua série e pregar uma ou duas mensagens para redirecionar a congregação para a suficiência das Escrituras e à fidelidade de Deus. Por exemplo, um ou dois sermões abordando como não devemos viver com medo durante a pandemia de COVID-19 pode servir bem a uma congregação. Tais sermões variam de acordo com a comunidade e congregação, e a disseminação localizada do vírus. Um pastor em Nova Jersey pode estar mais apto a abordar este problema do que um na Dakota do Norte. No âmbito de uma série regular de exposições, no entanto, pode haver amplas oportunidades para fazer aplicações referentes à crise atual, sem interromper a série.

Digressão, Mas Não Por Muito Tempo

Seria permissível que um pastor interrompa seu trabalho de exposição sistemático para abordar uma crise? Certamente, se considerar que será útil para encorajar sua congregação a confiar no Senhor. Mas ao retornar logo que possível à exposição bíblica sistemática, diminuirá o medo, promoverá a confiança e encorajará a esperança. A exposição semanal fornece a nutrição que faz com que a congregação cresça e amadureça na fé.

A continuidade expositiva em meio a tempos caóticos promove a perseverança e a fidelidade estável. Tal como um presbítero disse a um amigo pastor, “Ainda bem que você está pregando sobre Marcos novamente, para que não estejamos lendo a Bíblia à luz da COVID-19, mas interpretando nossas circunstâncias atuais à luz da Bíblia”.

Traduzido por: Marq

CARREGAR MAIS
Loading