Celibato com Propósito

Unsplash

Quantas vezes você já ouviu alguém dizer: “Ele é um cara tão legal, como é que ele ainda é solteiro”? Ou “Ela é um bom partido. Quando ela vai se casar”? O que está implícito por detrás destas colocações é que homens e mulheres ótimos se casam, os que não são tão bons assim, ficam solteiros. Para muitos, ser solteiro estampa sobre eles um significado que toca suas próprias identidades: estão danificados, são de segunda categoria, de alguma forma eles são menos do que aqueles que se casam. Em resposta a esta mensagem, as Escrituras nos ensinam que os cristãos solteiros não são definidos por sua solteirice, mas por sua união com Jesus Cristo. O celibato, tanto quanto o casamento, é um chamado dado por Deus, não uma identidade. O chamado de uma pessoa solteira não imprime a ela uma identidade diferente da pessoa casada. No entanto, imprime um significado diferente. Este significado não comunica uma mensagem sobre a pessoa em si mesma, mas sobre o próprio Deus. Dar-se conta do significado que Deus atribui ao celibato, permitirá às pessoas solteiras vivenciarem uma maior alegria em seu chamado, e aqueles que ministram a elas estarão mais bem preparados para encorajá-las a viverem este chamado.

O chamado de uma pessoa solteira não imprime a ela uma identidade diferente da pessoa casada. No entanto, imprime um significado diferente. Este significado não comunica uma mensagem sobre a pessoa em si mesma, mas sobre o próprio Deus.

O Significado do Celibato

Para chegar ao significado do celibato, é necessário também entender o verdadeiro significado do casamento. Paulo revelou o significado definitivo do casamento quando escreveu “Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja.” (Ef 5.32). A revelação espantosa que Paulo fez aqui é que o casamento, em última instância, não se refere ao relacionamento entre um homem e uma mulher, mas ao relacionamento de Cristo com sua igreja. Desde o princípio, o casamento foi padronizado no relacionamento entre Cristo e a igreja. O eterno relacionamento entre Cristo e o povo que ele salvaria já existia na mente de Deus antes da criação do mundo e o casamento foi planejado para evidenciar este relacionamento. Isso é incrivelmente significativo, pois nos mostra que o significado do casamento é, e sempre foi, algo que é verdadeiro tanto para as pessoas solteiras quanto para as pessoas casadas. O casamento não é a norma eterna, sem a qual uma pessoa seria considerada fora da norma. Ao contrário, Cristo e a igreja são a norma. O amor e a devoção de um marido e sua esposa, no casamento, ilustram o supremo amor e devoção de Cristo por sua igreja. O casamento é o que a Bíblia chama de “modelo”. É como uma marca feita em cera pelo selo de um anel. O desenho impresso não é o anel em si, apenas reflete o desenho do anel. O casamento, como um modelo, reflete uma realidade maior que ele mesmo. Reflete uma realidade celestial e prenuncia a mesma realidade que virá em sua abundância na Terra. O casamento reflete a realidade celestial da união amorosa e devota de Cristo com a igreja. Prenuncia o dia em que esta união será uma realidade terrena para sempre. E quando esta realidade chegar, a imagem não será mais necessária. É por isso que o casamento humano não existirá no retorno de Cristo.

No entanto, onde o celibato se encaixa em tudo isso? Se o casamento foi projetado para espelhar o amor de Cristo e Sua devoção à igreja, segue-se que o celibato foi projetado para espelhar o amor e a devoção da igreja à Cristo. Veja que, assim como o casamento serve para espelhar o amor e a devoção de Cristo à sua igreja, evidenciado pelo amor e devoção de um marido e sua esposa, o celibato aparentemente destaca de forma especial o amor e a devoção da igreja para com Cristo, evidenciado pela devoção exclusiva da pessoa solteira a Cristo. Provavelmente, esta é a razão pela qual as Escrituras estão repletas de imagens sobre o celibato e a virgindade como uma metáfora do amor e da devoção do povo de Deus. Um exemplo disso é o que vemos em Apocalipse 14.4, onde a igreja devotada é descrita utilizando a imagem de pessoas solteiras: “São estes os que não se macularam com mulheres, porque são castos. São eles os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá. São os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro.” (Ap 14.4). Através do compromisso da pessoa celibatária de seguir a Cristo “onde quer que vá”, especialmente através do sofrimento de se abster da intimidade conjugal e sexual, o compromisso com Cristo para o qual toda a igreja é conclamada é claramente ilustrado.

O celibato demonstra, no presente, a realidade futura da união da igreja com Cristo, pois no mundo que há de vir, todos serão da forma como os solteiros são hoje.

Portanto, o chamado para ficar solteiro, tem um grande significado. O celibato, assim como o casamento, tem uma marca significativa de Deus. Tal como o casamento destaca o “ainda não” de nosso relacionamento com Cristo, a saber, que ele ainda não foi consumado com a comunhão face a face, o celibato destaca o “ agora” neste relacionamento. Quando Paulo escreve para encorajar os solteiros a “consagrarem-se desimpedidamente ao Senhor” em 1 Coríntios 7, por exemplo, ele os recorda da natureza transitória de seus chamados terrestres. Paulo escreveu: “o tempo se abrevia; o que resta é que não só os casados sejam como se o não fossem… porque a aparência deste mundo passa.” (1 Co 7.29, 31). É à luz da natureza temporária deste mundo atual, incluindo o chamado matrimonial, que os crentes em Cristo devem se esforçar por aquilo que é eterno — a devoção a Cristo. Embora todos os cristãos sejam chamados a este tipo de devoção, é o chamado ao celibato que coloca em evidência a natureza eterna desta devoção. O celibato demonstra, no presente, a realidade futura da união da igreja com Cristo, pois no mundo que há de vir, todos serão da forma como os solteiros são hoje. Cristo se unirá ao seu povo em casamento para sempre, e todo o seu povo será solteiro — dedicado apenas a Ele. O celibato glorifica a Deus comunicando a mensagem de que o amor e a devoção a Cristo são fundamentais e eternos. Comunica ao mundo exterior: Deus é o bastante. Deus é suficiente. Deus é melhor que qualquer coisa, ou qualquer outra pessoa. Seguir a Deus vale qualquer sacrifício. Este é o significado do celibato. Trata-se de uma alta vocação. E a mensagem que isto comunica não é sobre a pessoa solteira, mas sobre o próprio Deus.

Mostre o Que o Celibato Significa para Você

Para que os solteiros consigam viver este chamado propositadamente, o significado do celibato para Deus deve estar sempre em evidência para eles. Sabendo portanto, que Deus quer que o celibato comunique uma mensagem sobre sua superioridade e suficiência e do amor e devoção que a igreja deve ter para com ele, seguem abaixo três sugestões que podem ajudar os solteiros a comunicarem esta mensagem através de suas vidas.

Primeiro, devemos nos lembrar que os cristãos não são definidos, primariamente, por seus chamados. O celibato é um chamado, não uma identidade. A identidade de um cristão, aquilo que o define na sua essência, está em sua união indissolúvel com Jesus Cristo. O amor que Deus tem por ele é o que o define. Ele é amado, valorizado, perdoado, aceito, recebe um propósito e é capacitado em Cristo. Isto é quem ele é e sempre será. Quer seu chamado seja o celibato ou o casamento, a sua identidade em Cristo é a mesma. Ser celibatário ou ser casado é um estado temporário, isso pode mudar ao longo do tempo, mas a identidade de um cristão não muda. O chamado de uma mulher pode mudar de ser solteira para ser casada, ou de casada de volta a solteira mas o que não mudará é sua identidade em Cristo, de filha amada por Deus, herdeira de todas as preciosas e mui grandes promessas de Deus (2Pe 1.4).

Ser celibatário ou ser casado é um estado temporário, isso pode mudar ao longo do tempo, mas a identidade de um cristão não muda.

Em segundo lugar, o significado do celibato será visto na luta pelo contentamento em Deus. O celibato é particularmente bem equipado para demonstrar a suficiência e superioridade de Deus, pois os solteiros são chamado a encontrar em Deus, aquilo que frequentemente os casados encontram em seus cônjuges. Aqueles que são chamados para o matrimônio frequentemente encontram em seus cônjuges o amor, a afirmação, segurança, o conforto, companheirismo e intimidade, entre outras coisas. Para as pessoas solteiras, no entanto, ter um senso dessas coisas é muitas vezes incerto ou não imediato e isso requer deles uma dependência maior de Deus a fim de alcançarem a satisfação de tais necessidades e desejos. O celibato aponta de forma singular para a verdade de que a satisfação de todas as nossas necessidades e desejos são encontrados, em última instância, somente em Cristo. Os solteiros devem procurar ficar tão contentes com tudo o que Cristo é para eles, que possam dizer como Paulo, que aprenderam a estar contentes em qualquer tipo de situação (Fp 4.11).

Finalmente, o significado do celibato é visto quando o cristão solteiro está ativamente envolvido no serviço a Cristo e à igreja. Demasiados cristãos solteiros passam pela vida como se o tempo de solteirice fosse apenas um parêntese antes de sua vida real começar com o casamento. Como resultado, eles não se envolvem ativamente no serviço a Cristo, esperando se casarem para participarem plenamente. Este modo de viver comunica uma mensagem distorcida sobre Deus e subordina Cristo e a igreja ao casamento, ao invés do contrário. Afim de demonstrarem o sentido do celibato que Deus deseja — ou seja, que a devoção a Deus é prioritária — os solteiros necessitam priorizar o servir a Cristo mais do que a busca de um cônjuge. Que os solteiros possam demonstrar que Jesus é verdadeiramente suficiente para eles ao servirem ativamente Sua igreja.

Para que os solteiros possam viver uma vida coerente com o significado de seus chamados, necessitarão estar cientes do significado que Deus deu ao celibato. A vida celibatária não se centra na própria pessoa, se centra em Deus. Portanto, na próxima vez que alguém descobrir que você é um pessoa solteira, ou quando estiver aconselhando um cristão solteiro, rejeite a implicação de que o celibato revela algo sobre a identidade. Não revela nada sobre a identidade. Cristãos solteiros são filhos de Deus, amados e estimados por ele e unidos a Jesus Cristo para sempre. Não tenha vergonha do chamado ao celibato. Em vez disso, confie que o celibato é proposto por Deus para comunicar algo glorioso sobre ele, sobre sua suprema suficiência para satisfazer todas as necessidades, e seu supremo valor para ser amado e adorado exclusivamente por todos. O chamado ao celibato é feito sob medida para comunicar esta mensagem. Portanto, deixe que o verdadeiro significado do celibato seja evidente.

 

Traduzido por Marcos David Muhlpointer

Compartilhar
CARREGAR MAIS
Loading