×
Procurar

Um amigo sorriu para mim do outro lado da mesa de jantar. “Então, você vai se mudar para outro estado? Emocionante! Como Deus lhe revelou Sua vontade?

Eu e minha esposa nos entreolhamos, nos esforçando para responder honestamente sem fazer nosso amigo se sentir desconfortável. Até onde sabíamos, Deus não havia dito nada sobre o nossa mudança. Nenhum direcionamento específico, sem calafrios nas orações, sem versículos bíblicos oportunos sobre uma peregrinação a uma terra distante.

Fizemos o nosso melhor para honrar a Deus nesta mudança — orando juntos, buscando o conselho de amigos e mentores, planejamos e economizamos durante anos. No entanto, sempre que o assunto surgia, o que as pessoas realmente queriam saber era como Deus falara conosco para revelar sua vontade.

Parecia que as pessoas presumiam que Deus sempre providencia conselhos concretos e individualizados para as grandes decisões da vida. De fato, a ideia de receber uma mensagem do Senhor, feita sob medida e transmitida apenas para os Andersons, é empolgante. Não descarto este anseio, haja vista a gloriosa esperança de nos comunicarmos com Deus face a face de maneiras inimagináveis agora. (Mt 5.8; 1Co 13.12; Ap 22.3-4)

Talvez você também ja se tenha encontrado nesta situaçāo, diante de uma decisão importante e se perguntando como discernir o que Deus quer que você faça. As decisões marcantes da vida — qual faculdade cursar, com quem se casar, aceitar ou não certo emprego — nos fazem almejar o direcionamento divino. Mas seria realista, ou bíblico, ter a expectativa de receber um “vá em frente” audível de Deus (ou algo equivalente), antes de tomar cada decisāo importante?

O Que Queremos Dizer Com “A Vontade de Deus”?

A linguagem clara é importante. Infelizmente, a maneira como definimos a vontade de Deus, frequentemente, não é muito clara na igreja. Kevin DeYoung explica a confusão:

A “vontade de Deus” é uma das frases mais confusas do vocabulário cristão. Às vezes falamos de todas as coisas acontecendo de acordo com a vontade de Deus; outras vezes falamos em ser obedientes e cumprir a vontade de Deus; e ainda, outras vezes, falamos em encontrar a vontade de Deus.

Vamos olhar brevemente as Escrituras para obter maior clareza. Os teólogos comumente se referem a dois aspectos da vontade de Deus: sua vontade prescritiva e sua vontade preceptiva (muitas vezes chamadas respectivamente de vontade secreta e vontade revelada de Deus).

1. A Vontade Prescritiva (Secreta) de Deus

A vontade prescritiva de Deus significa que ele soberanamente ordena todas as coisas. Ele controla totalmente os acontecimentos do mundo. Esta verdade grandiosa é vista em passagens tais como Efésios 1.11: “nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade.”

Nada pode atrapalhar os planos de Deus. A história, bem como as nossas vidas individuais, estão se direcionando ao destino que Deus pretende. Estas sāo boas novas, porque a intenção de Deus para nós, e para o mundo, é nos redimir, purificar e noa refazer (Ap 21.1-5).

2 A Vontade Preceptiva (Revelada) de Deus

A vontade preceptiva de Deus se refere aos seus mandamentos bíblicos: como ele quer que vivamos. Sendo pessoas contemporâneas, tendemos a resistir a imperativos, mas, para os cristãos, os mandamentos são uma dádiva de um bom Pai que ilumina nosso caminho em vez de nos deixar tropeçar cegamente (Sl 119.105)

Jesus resumiu magistralmente a vontade do Pai em dois mandamentos claros: amar a Deus e amar ao próximo (Mt 22.37-40). Se estivermos procurando uma teologia objetiva sobre a vontade de Deus, ei-la.

A vontade preceptiva de Deus significa que sabemos o que Ele espera de nós. Em vez de buscarmos um plano individualizado para nossas vidas, as Escrituras universalizam Sua vontade para todos os cristãos: tudo se resume a amar a Deus e ao próximo.

Vontade de Deus de Direcionamento

Ainda assim, alguns se perguntam se Deus revela sua vontade para as decisões cotidianas não abordadas diretamente nas Escrituras. Além de sua vontade prescritiva e preceptiva, as pessoas buscam sua vontade de direcionamento.

Quando estamos em um dilema, indecisos entre as opções A e B — Senhor, por qual caminho devo seguir?

O problema não está na pergunta; nós devemos buscar a sabedoria de Deus (Tg 1.5). O problema está em nossa expectativa de como Deus nos responderá. O entendimento popular é que Deus nos responderá através de alguns meios óbvios. Talvez por meio do desaparecimento da opção A, ou por uma sensação que temos durante a oração, ou um versículo bíblico que parece nos cutucar em certa direção, ou. . . preencha o espaço.

Mas e se na maior parte das vezes, Deus simplesmente nos convida a escolher? E se as opções A ou B se inserem igualmente na sua vontade, de maneiras que não podemos explicar ou compreender? E se, em vez da opção A versus a opção B, Deus estiver realmente interessado em como percorreremos o caminho e não qual estrada escolheremos?

Novamente, DeYoung nos auxilia:

Deus não é uma bola mágica a qual podemos sacudir e olhar sempre que temos uma decisão a tomar. Ele é um bom Deus que nos dá inteligência, nos mostra o caminho da obediência e nos convida a correr riscos por ele. Sabemos que Deus tem um plano para nossas vidas. Isto é maravilhoso. O problema é acharmos que Ele vai nos contar o maravilhoso plano antes que este se desenrole. Temos a impressão de que podemos (ou de que até necessitamos) saber aquilo que Deus quer a cada passo do caminho. Mas tal preocupação em encontrar a vontade de Deus, por mais bem intencionada que esta ambição pareça, se aproxima mais de insensatez do que da liberdade.

Com respeito a isto, um amigo compartilhou o seguinte princípio em um sermão: “A vontade de Deus é uma bússola e não um mapa”.

Frequentemente ficamos preocupados com o destino — aonde Deus quer nos levar. Talvez Ele esteja mais interessado em quem Ele está moldando no decorrer do percurso. O intuito não é desmerecer os cristãos bem intencionados que buscam de todo o coração a vontade de Deus para suas vidas. Mas é que . . . talvez Ele já tenha nos contado!

Expectativas Insustentáveis

Por demasiado tempo, santos fiéis têm sido informados de que a vontade de Deus, tal como uma Siri divina, vai indicar o caminho passo a passo à cada encruzilhada. Quando Deus não nos conduz desta maneira, nascem uma infinidade de pressupostos falsos sobre Ele. Em meio à percepçāo de silêncio, alguns conjuram respostas e colocam palavras na boca de Deus. Alguns se sentem abandonados por Deus, como se Ele os tivesse deixado na māo. Outros se sentem culpados, supondo que Deus está sendo indiferente porque lhes falta fé ou pecaram de alguma forma imperdoável. E outros ainda ficam paralisados, presos na indecisão até que a resposta desejada chegue, se eventualmente chegar.

Em última análise, a expectativa de que Deus nos revelerá todas as decisões é insustentável. Há uma maneira melhor.

A Liberdade na Vontade de Deus

Já faz uns seis meses desde que eu e minha esposa nos mudamos e, por várias razões, agora nos mudamos de volta para casa. Essa é a nova pergunta que estamos ouvindo ultimamente: “Então, vocês se arrependem de terem se mudado?”

Nossa resposta é um categórico “não”. Mudar para outro estado não foi um passo fora da vontade de Deus. As coisas não aconteceram como imaginávamos, mas a beleza da vontade de Deus é que retornar à estaca zero não é algo ruim. A restauração de Deus é um progresso, mesmo quando ela quebra nossos paradigmas de avanço e sucesso.

Qual foi a vontade de Deus para nós nesta mudança? Não sei muito bem, mas o que posso dizer com confiança é que eu e minha esposa nos aproximamos mais de Jesus nestes últimos seis meses. Tivemos que encarar as falhas na nossa fé, pedimos perdão e tentamos aprender a cumprir o mandamento de Jesus para amarmos a Ele e ao próximo com tudo o que temos e somos. Sabemos que, independentemente da cidade onde moramos, esta é Sua vontade para nós.

Dá para ver a liberdade desta perspectiva?

Já que a mão soberana de Deus não pode ser frustrada, abandone seu medo de irrevogavelmente vagar para fora dos caminhos de sua vontade. Pare de se preocupar sobre a possibilidade de trilhar um caminho além dos limites da providência divina. Planeje, obedeça aos princípios bíblicos, busque o conselho de outros, mergulhe na oração e tome uma decisão! Não se preocupe se Deus não está anunciando cada curva ao longo do caminho. Apenas ame-o com todo seu coração, alma, mente e força — este é o seu verdadeiro norte.

 

Traduzido por Juliana Reimer

 

Boletins Informativos

Get TGC delivered to your inbox!

CARREGAR MAIS
Loading