A Bíblia profetizou o coronavírus?

Por momentos é dífícil acreditar no que vivemos hoje. Países fechados, eventos cancelados, cultos suspensos; supermercados lotados e sem produtos básicos; atrações vazias; e, o mais importante, milhares de pessoas falecidas, centenas de milhares enfermas e milhões assustadas. O coronavírus afeta a quase todos os países do mundo.

Nossa geração nunca experimentou uma pandemia neste nível, e os cristãos ao redor do mundo estão buscando o que podemos aprender e como devemos agir em meio a esta situação. Isto levanta a questão: a Bíblia profetizou o coronavírus? Seria o COVID-19 uma das pragas bíblicas?

Sim, a Bíblia profetizou doenças e pragas

Por um lado, lembremos que a Bíblia fala sobre pragas significativas antes da segunda vinda de Cristo. Em Lucas 21.11, nosso Senhor Jesus adverte seus discípulos: “Haverá grandes terremotos, epidemias e fome em vários lugares, coisas espantosas e também grandes sinais do céu”. Esta passagem mostra uma terra inquieta e em tribulação, mencionando especificamente a existência de pragas e fome como um prelúdio para o fim (Lc 21.9). Essas profecias tem protegido a Igreja nestes 2.000 anos, daqueles que afirmam ser o Messias (Lc 21.8).

Em Apocalipse 6.8, encontramos outra passagem também importante neste momento: “E olhei, e eis um cavalo amarelo e o seu cavaleiro, sendo este chamado Morte; e o Inferno o estava seguindo, e foi-lhes dada autoridade sobre a quarta parte da terra para matar à espada, pela fome, com a mortandade e por meio das feras da terra”. Aqui, abrir o quarto selo produz um cavalo “amarelo” (ou “muito pálido”, isto é, doente), que traz dor e morte através de guerras, doenças e desastres naturais. Esses selos são abertos como juízo de Deus para uma terra surda diante do chamado do evangelho.

Uma última verdade a considerar é a que Romanos 8.22 nos ensina: “Sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora”. O gemido da criação é evidente quando as árvores caem e os animais sofrem, mas é particularmente evidente quando um vírus microscópico é capaz de causar milhares de mortes e paralisar todos os sistemas humanos. Como Deus declarou, vivemos em uma terra disfuncional.

Não, a Bíblia não parece profetizar esta doença e praga

Embora seja verdade que a Bíblia nos adverte e nos apresente a realidade de pragas e doenças e uma terra que geme, podemos dizer, com a consciência limpa, que essas profecias são específicas para o coronavírus? Não é possível, ou provável, que essas profecias tenham sido apropriadas a outras doenças e pragas anteriores, tal como a gripe espanhola (que matou mais de 20 milhões de pessoas)?

Devemos admitir que muitas das profecias bíblicas relacionadas aos tempos apocalípticos têm um sentido mais geral do que específico.

Nessa mesma linha, devemos ter muito cuidado para não forçar um texto bíblico a dizer algo especificamente para a nossa situação atual, pois estaríamos reivindicando o lugar de profetas de Deus. E se não se cumpre? Se Deus decide mostrar graça e essa pandemia for controlada, e nem um quarto da terra morre (como profetizado em Ap 6), nem a segunda vinda de Cristo ocorre em nossa geração (como Lc 21 parece ensinar), quem fica como mentiroso?

De nenhuma maneira nosso Senhor mente, mas nós podemos terminar como mentirosos ou, inclusive, sendo falsos profetas (Dt 18.21-22).

Além disso, não devemos ignorar a advertência de Jesus: “Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai” (Mt 24.36). Cristo deixa claro que ninguém sabe o momento de sua segunda vinda. Se pensarmos que as profecias sobre pragas e doenças se referem especificamente ao coronavírus, estamos em um território perigoso para afirmar que sabemos mais do que o que o Pai queria que soubéssemos sobre o retorno de Jesus.

Certeza bíblica em tempos de coronavírus

Não há dúvida de que vivemos em tempos difíceis, sem precedentes para a minha geração. Especialistas no assunto falam de possíveis centenas de milhares de outros infectados, o que significará muito mais mortes. E, com toda a probabilidade, levará muito tempo para os mercados econômicos se recuperarem.

Quero crer que estes são sinais antes do fim. Me uno à Igreja que tem clamado Maranata! por 2.000 anos. E acredito firmemente que não são tempos para ficarmos ansiosos, mas de oração (Fp 4.6-7). É também um momento especial para fazer a vontade de Deus, amando os necessitados, particularmente as viúvas e os órfãos ao redor (Tg 1.27), e os idosos que são particularmente suscetíveis a esta doença.

Não podemos dizer com certeza que o coronavírus é o cumprimento de uma profecia bíblica específica, mas podemos ter absoluta confiança de que Deus não se afastou nem um centímetro do Seu trono. Ele continua nos céus, fazendo o que bem lhe parece (Sl 115.3), para sua glória e nosso bem.

Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima (Lc 21.28)

Traduzido por: Matheus Thiago C. Mendonça
Fonte: coalicionporelevangelio.org

Compartilhar
CARREGAR MAIS
Loading