×
Procurar

A maconha é normalmente usada como uma droga que altera o humor e a mente. O intuito é provocar uma espécie de euforia. Os efeitos variam muito de pessoa para pessoa. Tudo o que necessitamos fazer é pesquisar no Google, “Qual a sensação de usar maconha?” As pessoas não fumam maconha para ficarem infelizes. Ela produz um estado temporário em que o usuário se sente melhor do que na vida comum. É por isso que é chamado de “high” [alto] e não de “low” [baixo].

Por isso, a primeira comparação que se poderia fazer é com a cafeína. A maioria das pessoas bebe café porque a cafeína tem um efeito agradável. Mas há uma diferença. A maconha prejudica temporariamente o processamento confiável da realidade circundante. A cafeína normalmente aguça tal processamento.

A maioria dos consumidores de café esperam ficar mais atentos, fazer seu trabalho de forma mais confiável e dirigir com maior segurança. Com certeza é possível abusar da cafeína, mas, como um estimulante natural, é mais comumente usado não como uma fuga da realidade, mas como um esforço para interagir de forma responsável com a realidade.

Mesmo aqueles que mais fortemente defendem a legalização da maconha admitem o funcionamento prejudicado que as pesquisas têm mostrado. Um destes estudos reconhece,

Os efeitos a curto prazo da maconha incluem mudanças imediatas e temporárias em pensamentos, percepções e processamento de informações. O processo cognitivo mais claramente afetado pela maconha é a memória de curto prazo. Em estudos de laboratório, os sujeitos sob a influência da maconha não têm problemas para lembrar de coisas que aprenderam anteriormente. No entanto, apresentam uma capacidade diminuida para aprender e recuperar novas informações. Esta diminuição só perdura durante o período da intoxicação. Não há evidências convincentes de que o uso intenso de maconha a longo prazo prejudique permanentemente a memória ou outras funções cognitivas.

Outros estudos sugerem que o efeito na diminuição da função cerebral é mais duradouro, especialmente em adolescentes.

Assim, ao contrário da cafeína, a maconha geralmente não é considerada uma droga fortalecedora, que permite que sejamos um pai mais atento, ou uma mãe mais consciente ou um funcionário mais competente. Em vez disso, para a maioria dos usuários, é uma fuga recreativa, que produz uma diminuição na precisão da observação, da memória e do raciocínio. E pode ter efeitos negativos duradouros na capacidade da mente para fazer o que Deus a criou para fazer.

Nosso Corpo Nāo é de Nós Mesmos

Nesta perspectiva, existem pelo menos duas verdades bíblicas que podem nos distanciar do uso recreativo da maconha. A primeira é que, para o cristão, o corpo é o templo do Espírito Santo. Este ensinamento simples, em seu contexto, deve ter um efeito enorme.

Não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo. (2 Coríntios 6.19-20)

Quando minha mãe me disse para não fumar, por exemplo, ou não fazer sexo antes do casamento, porque meu corpo era o templo do Espírito Santo, a ficha caiu! Aquilo fez sentido. Era uma barreira imóvel entre eu e minha autodestruição. Meu corpo pertencia a Deus. Não era para meu uso recreativo do jeito que eu quisesse. Era para a Sua glória.

Se eu estivesse criando filhos hoje, eu diria: “Seu corpo é o templo do Espírito Santo. Você não é seu. Você foi comprado com o sangue de Jesus. Pergunte-se: Isto está fazendo com que Jesus pareça ser o tesouro que verdadeiramente é?” Eu faria esta pergunta acerca do fumo, da embriaguez, da maconha recreativa, do comodismo sedentário, da gula, dos programas banais de TV e de muitas outras coisas.

E acrescentaria: “O corpo é para o Senhor, e o Senhor, para o corpo.” (1 Coríntios 6.13). Mantenha-o limpo e pronto para o uso dele. Não entorpeça suas capacidades dadas por Deus de ver claramente, observar com precisão, pensar profundamente e lembrar de forma útil. Eu perguntaria: “Você pode louvar a Cristo de forma autêntica junto a seus amigos quando estiver chapado pela maconha?”

Sua Mente É Inestimável

A segunda verdade bíblica que deve nos afastar do uso recreativo da maconha é que Deus nos deu mentes e corações para conhecê-lo e amá-lo e para discernir sua vontade. “Na malícia, sim, sede crianças; quanto ao juízo, sede homens amadurecidos.” (1 Coríntios 14.20). Não se torne um pecador experiente para aprender a loucura do pecado. Esteja disposto a ser um bebê inexperiente quando se trata de compartilhar drogas alucinógenas. Seja implacavelmente lúcido. Deixe o rebanho cair do penhasco sem você. Use sua mente para alertá-los, não para se juntar a eles.

Em relação à embriaguez (e ficar chapado pela maconha é uma espécie de embriaguez) a Bíblia diz: “Pois ao cabo morderá como a cobra e picará como o basilisco. Os teus olhos verão coisas esquisitas, e o teu coração falará perversidades” (Provérbios 23.32-33). Em outras palavras, ela te afasta do tipo de sobriedade e autocontrole que é essencial no uso da mente para a glória de Deus.

E Quanto Ao Uso Medicinal?

Mas tendo dito isto, não creio que devemos nos opor ao uso medicinal regulamentado da maconha, controlado por supervisão médica e prescrições adequadas. Há muitas drogas vendidas por prescrição que, se fossem abusadas, seriam ainda mais destrutivas do que a maconha. Tenho um amigo que compartilhou comigo de maneira sóbria, que seu filho tinha uma lesão de longa data, e que a única coisa que trouxe algum alívio foi uma pequena dose de maconha.

Mas o ponto aqui é sobretudo dizer que aqueles que vivem para enaltecer a Cristo vão querer se desviar da maconha e outras drogas destrutivas e que alteram o humor, e buscarão uma visão clara e um pensamento lúcido para a glória de Deus.


Publicado originalmente em DesiringGod.org.

Traduzido por Ana Heloysa Araújo

 

 

 

 

CARREGAR MAIS
Loading