×
Procurar

“Cristo morreu. Cristo ressuscitou. Cristo virá novamente.” Assim diz a bem conhecida aclamação memorial. Mas, às vezes, não pensamos muito sobre a terceira destas três declarações. Como a segunda vinda de Cristo se relaciona com sua primeira vinda? E como ela molda nossa vida e esperança agora?

Para explorar a doutrina da segunda volta de Cristo, e suas ramificações práticas, me correspondi com Sam Storms, membro do Conselho TGC, pastor principal para o ministério de pregação e visão na Bridgeway Church em Oklahoma City, Oklahoma, EUA e autor de (entre muitos outros livros) Kingdom Come: The Amillennial Alternative (tradução livre: Venha o Teu Reino: A Alternativa Amilenista).


O que exatamente é a segunda vinda de Cristo? Como ela se relaciona com a sua primeira vinda?

A segunda vinda de Jesus Cristo é o retorno pessoal (ele não irá enviar um anjo em seu lugar), visível (todo olho o verá), físico (ele virá no corpo em que foi crucificado, ressuscitado, e glorificado) de Jesus à terra para consumar a salvação do seu povo (Fp. 3.20-21; Hb. 9.28; 1 João 3.1-3), para ser glorificado neles (2 Ts. 1.10), e para infligir vingança sobre aqueles que o desafiaram e ao evangelho da graça (2 Ts. 1.8). Na sua primeira vinda Jesus veio como um servo sofredor, um cordeiro sacrificial, “para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.” (Hb. 9.26), e para inaugurar o governo do Reino de Deus. Lemos em Hebreus 9.28 que ele “aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.” e para consumar o reino em sua plenitude.

Quais que você diria que são os dois ou três maiores equívocos sobre a segunda vinda de Cristo entre os cristãos atualmente?

Apesar da declaração inequívoca do nosso Senhor que “ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho,” (Mt. 24.36) quando seu retorno ocorrerá, alguns continuam a definir datas ou a supostamente discernir os tempos, a fim de definir o momento preciso da sua vinda. Simplesmente, isto precisa parar. Embora isto certamente venda livros, nada traz mais opróbrio à igreja de Jesus Cristo do que estes esforços mal concebidos de prever o tempo de seu retorno.

Outro equívoco é que Cristo voltará num momento de turbulência cósmica, ruptura social e caos global, de tal forma que todo mundo vai estar olhando para o céu, totalmente preparado para a sua vinda. Mas o próprio Jesus disse que “assim como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mt. 24.37). Em outras palavras, antes do dilúvio as pessoas “comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento” (Mt. 24.38), o que significa que eles estavam prosseguindo alegremente a rotina da vida, em grande parte desavisados de qualquer desastre iminente. Também será desta forma quando Cristo retornar.

Finalmente, entendo que este é um ponto controverso, em que muitos leitores vão discordar, mas a segunda vinda é um evento singular, não duas vindas separadas por uma tribulação de sete anos. É verdade, é claro, que quando ele retornar, aqueles crentes que estão vivos na terra serão “arrebatados … ao encontro do Senhor nos ares ” (1 Ts. 4.17). No entanto, este não é um “arrebatamento” pré-tribulação, mas a ressurreição e glorificação final de todo o povo de Deus.

Na Bíblia, qual o significado prático que a segunda vinda de Cristo deveria ter sobre o modo como os cristãos vivem? Você poderia nos dar alguns exemplos?

Pedro nos pergunta “que pessoas” devemos ser em santidade e piedade.” dada a realidade do retorno iminente de Cristo e o julgamento que sucederá na terra? (2 Pe. 3.11-13). E João obviamente cria que “a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança [ou seja, em Cristo e seu retorno]” assim como Cristo é puro (1 João 3.1-3). Mas talvez o desafio mais explícito para nós, em termos das implicações práticas da vinda de Cristo, é encontrado em 1 Pedro 4.7-9. “Mas já está próximo o fim de todas as coisas”, diz Pedro. Mas não saia do seu emprego, ou corra para as montanhas, ou abandone sua família e igreja. Em vez disso, “portanto sede sóbrios e vigiai em oração; tendo antes de tudo ardente amor uns para com os outros” e “sendo hospitaleiros uns para com os outros, sem murmuração”

Para aqueles envolvidos em aconselhamento pastoral, quando que a segunda vinda de Cristo pode ser uma doutrina útil de ser mencionada? Que pecados, ou lutas particulares, poderiam ser proveitosamente abordados com essa doutrina?

Uma das verdades gloriosas sobre a segunda vinda é que ela irá resultar na redenção e glorificação final de nossos corpos. Paulo fala sobre isto explicitamente em Filipenses 3.20-21. Quando Cristo voltar ele “transformará o corpo da nossa humilhação, para ser conforme ao corpo da sua glória, segundo o seu eficaz poder de até sujeitar a si todas as coisas.” (Fp. 3.21). As pessoas que lutam com determinados hábitos da carne que são pecaminosos, quer seja a luxúria, ou a embriaguez, ou pornografia, ou qualquer outro vício diário, podem encontrar um encorajamento especial em saber que Deus se preocupa com seus corpos e um dia irá libertá-los completamente de todos os impulsos e paixões pecaminosos. Saber que “a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos um Salvador” (Fp. 3.20a) e que o objetivo final de Deus para a nossa estrutura física é nos tornar semelhantes a seu Filho, pode servir para nos capacitar e motivar a exercer autocontrole através do Espírito que habita em cada crente.

Como a segunda volta de Cristo pode incentivar ou estabilizar os cristãos que vivem numa cultura hostil de sofrimento por sua fé em Cristo?

Uma das coisas que mais ajuda aqueles que estão sofrendo é a sólida confiança e a garantia de Deus que um dia ele vai colocar todas as coisas em ordem. Ele restabelecerá a verdade em nome daqueles que foram caluniados. Ele inflgirá vingança sobre aqueles que têm oprimido e perseguido a igreja. Ele irá recompensar grande e ricamente aqueles que perseveraram através do pior que Satanás pode infligir (Ap. 2.10).

Você pode recomendar algumas fontes para um estudo mais aprofundado sobre a segunda vinda de Cristo?

Sem querer parecer egoísta, eu provavelmente deveria recomendar o meu próprio livro, Kingdom Come: The Amillennial Alternative (tradução livre: Venha o Teu Reino: A Alternativa Amilenista). A excelente exposição em escatologia de Anthony Hoekema, The Bible and the Future (tradução livre: A Bíblia e o Futuro), também deve ser consultada. E Biblical Eschatology (tradução livre: Escatologia Bíblica), por Jonathan Menn, é um levantamento abrangente de todas as opções.

Traduzido por Kellvyn Mendes.

CARREGAR MAIS
Loading