Aprendendo a Ser Uma Filha Quando Não Sou Mais Criança

Unsplash

Meu marido odeia quando eu conto a história de como nos conhecemos.

“Eu não estava no meu melhor”, ele sempre diz.

E ele está certo. Não estava. O homem que pode me dar borboletas no estômago com um único olhar, causou uma primeira impressão horrível ao dizer minhas seis palavras menos favoritas:

“Você é filha de Voddie Baucham?”

Phillip estava perguntando por uma razão legítima: ele estava procurando por meu pai durante uma reunião. Mas, na época, eu o considerei como apenas mais um fanboy que só me veria como um subproduto do ministério bem conhecido de meu pai — nunca como uma pessoa com meus próprios méritos.

Acontece frequentemente.

Apenas Me Chame de A Filha de Voddie

Quando comecei a blogar novamente, meu público principal era composto de pessoas que haviam seguido o ministério de meu pai e estavam ansiosas para ver os frutos de seu trabalho.

O que faz sentido, porque grande parte do ministério do meu pai se concentra no cultivo de uma família piedosa. Um de seus livros tem o título de “What He Must Be If He Wants to Marry My Daughter” [[O Que Ele Deve Ser… Se Quiser Casar Com A Minha Filha]. (Meu marido nunca se cansa dessas piadas, pessoal; podem zoa-lo na próxima vez que o verem)

Nas mentes de meus leitores, eu cresci no ambiente familiar perfeito, passei pelo perfeito namoro e agora estava tendo o casamento perfeito com o homem perfeitamente piedoso e escolhido a dedo, dos sonhos do meu pai.

A admiração por meu pai é tão intensa que, quando meu filho nasceu, as pessoas perguntaram se ele seria chamado de “Voddie”. Não sugeriam homenagear meu marido, o pai do bebê. Queriam que déssemos o nome do meu pai, como maneira de homenageá-lo. Para estas pessoas, ele não era filho do Phillip. E nem era meu filho. Ele era neto de Voddie Baucham.

O Que Seu Pai Vai Dizer?

Ainda há muitas pessoas que não sabem quem é meu pai. Ele é conhecido em uma subcultura específica, mas quando estou no shopping ninguém vem me pedir um autógrafo.

Mas nāo é necessário que seus pais sejam famosos para saber como é crescer à sombra deles. Se você vem de uma família “boa” — estável, com pai e mãe, cristãos — tal como eu, pode ser fácil crescer sentindo que suas crenças não são realmente suas, mas as de mamãe e papai.

Este sentimento é o porquê de tantos dos meus amigos cristãos terem crises de fé na adolescência ou início da década dos 20 anos. Haviam ido à igreja toda suas vidas, mas estavam apenas repetindo o que seus pais pensavam. Eles se questionam se haviam assumido a fé por si mesmos.

Eu também passei por essa experiência. E, à medida em que arrasto para o outro lado e começo a tomar posse de minha própria fé, isto tem muito mais a ver com Jasmine Holmes e menos com Jasmine Baucham. Essa mudança poderia ter ocorrido enquanto eu era solteira, mas me casar e sair de casa me ajudou a fazer a distinção entre a fé de meus pais e a minha.

Continuo a afirmar a Deus como o Criador, a Cristo como o único Salvador de pecadores, e a Bíblia como a Palavra autoritária de Deus. Mas, de outras formas, minha fé assumiu um novo caráter. Não sinto mais a necessidade de ser mãe de meu filho, de me comunicar em meu casamento e de definir o chamado da minha vida da mesma forma que meus pais fizeram em nosso lar. Tive uma educação maravilhosa, mas meus pais tiveram a oportunidade de moldar essa educação com base em suas convicções e em seu próprio crescimento.

Estou apenas querendo ter a mesma oportunidade que eles tiveram.

Mas à medida em que mudei e comecei a tomar posse publicamente de minhas crenças, grande quantidade de vozes se apressaram a me colocar de volta no meu lugar. Filha de Voddie, o que você está fazendo? O que seu pai vai dizer?

Crescendo e Alargando Horizontes

Não me leve a mal. Amo meu pai. Como estudante de educação domiciliar, ele foi um dos meus professores, conselheiros e confidentes favoritos. Temos inúmeras lembranças, piadas nossas e tópicos de conversa bem utilizados. Ele é meu maior defensor, meu constante encorajador e minha rocha, quando as tensões desta vida começam a me fazer submergir.

Meu pai foi um incrível exemplo terreno do amor paternal de Deus para com seus filhos (1 Jo 1.3). Ele me protegeu (2 Ts 3.3), proveu minhas necessidades (Lc 12.24), me instruiu pacientemente (Sl 25.12), e liderou nossa família (Sl 5.8). É claro que ele fez todas essas coisas de forma imperfeita — somente Deus é o único Pai perfeito — mas as fez com amor, dedicação e diligência.

Mas meu pai ainda é um ser humano imperfeito que não é responsável por minha caminhada com Cristo. Sou responsável perante Deus por minha própria obediência.

O Salmo 127 nos diz que os filhos são como flechas nas mãos de um guerreiro (Sl 127.4). As flechas não tem utilidade para um guerreiro se elas permanecerem em sua aljava; são feitas para serem lançadas durante a batalha.

Muitas pessoas nāo se dāo conta de que os filhos não são obrigados a ficar à sombra de seus pais pelo resto de suas vidas. Eles são feitos para serem lançados de suas casas para um mundo ferido após haverem sido treinados para levar as boas novas de Jesus Cristo.

Todo o ensino e treinamento que meus pais dedicaram à mim, no final das contas, foi feito para a glória de Deus. Em última análise, não sou um testemunho da fidelidade de Voddie, mas da de Deus.

Chamado Pelo Seu Nome

Meu marido odeia o fato de que as primeiras palavras que me disse foram: “Você é filha de Voddie Baucham?”

Mas Phillip provou milhares de vezes que me vê como muito mais que isto. Como meu marido, ele me permitiu gerir estas tensões: ter um bom pai que também é imperfeito. Ser incrivelmente grata por como fui criada, mas também honesta sobre as coisas que quero fazer de forma diferente. Sendo muito parecida com meus pais, mas também sendo minha própria pessoa.

Nem todo mundo me oferece essa graça, mas o fato de que Phillip o faz me faz recordar que Deus também faz isso. Aos olhos de Deus, e por mais que eu ame meu pai terreno, não sou a “filha de Voddie”, mas filha Dele.

Deus não requer que eu faça uma contabilidade daquilo que meu pai pensa e crê, ou delineie todas as semelhanças, nuances e diferenças entre nós. Em vez disso, Deus me chama a me conformar à Sua imagem. E, dia após dia, espero estar me tornando mais parecida com Ele.

Sou grata pelo começo que ambos os meus pais me deram. Mas também sou grata por minha jornada não terminar aí. Louvado seja Deus pelo crescimento contínuo. Louve a Deus por raízes fortes e ramos cada vez mais fortes que se estendem em direção ao Filho.

 

 

Traduzido por Thaisa Marques

CARREGAR MAIS
Loading