3 Coisas que a Sua Bíblia Não Diz Sobre o Dinheiro

Quando se trata de dinheiro, Deus tem muito a dizer.

Então é hora de deixar tudo claro com relação a três coisas que a Bíblia não diz sobre o dinheiro, apesar do que possamos ter ouvido. Seguem três perspectivas erradas.

1. Deus Garante Prosperidade

O evangelho da prosperidade vem em várias formas, mas o ponto final é que Deus abençoa nossa obediência colocando-nos numa posição melhor materialmente. A mensagem diz que você deve honrar a Deus com seu dinheiro e irá conhecer esta bênção. O outro lado, claro, é que se você não está bem financeiramente, isso deve significar que você está desacreditando em ou desobedecendo a Deus.

O grande erro do evangelho da prosperidade é ignorar que essa promessa de bênção financeira está dentro da antiga aliança. A nova aliança não funciona da mesma maneira. Aliás, Jesus diz que seus seguidores são abençoados quando são pobres, famintos, quando choram, são odiados, excluídos, insultados, e rejeitados (Lc 6:20–22).

Bênção financeira simplesmente não é prometida a cristãos. Porém um princípio geral permanece: Deus abençoará nossa obediência. Jesus prometeu:

Ninguém que tenha deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, ou campos, por causa de mim e do evangelho, deixará de receber cem vezes mais, já no tempo presente, casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, e com eles perseguição; e, na era futura, a vida eterna. (Mc 10:29–30)

Um cristão jamais dará a Deus e no final sairá perdendo. Deus abençoa nossa oferta. Mas como? Qual é a natureza da benção?

Jesus não pode estar dizendo que se abrirmos mão de nossa casa possuiremos mais cem. Ele quer dizer que Deus nos abençoará com cem casas estando abertas a nós, e com uma nova família na igreja.

Observe também que ele acrescenta que sofreremos “perseguições.” Jesus não está dizendo que nossas vidas serão caracterizadas por bênçãos com luxo, mas por bênçãos com dificuldade. Não há sacrifício que você possa fazer por Jesus do qual você irá se arrepender.

O evangelho da prosperidade é uma coisa horrenda. Mas há um outro lado belo. Deus honra nossa oferta. Sacrifique um período de férias para poder ofertar à sua igreja e você poderá encontrar riquezas maiores em unidade e amor em sua igreja. Oferte generosamente a alguém em necessidade e você poderá encontrar pessoas lhe dando presentes. Eu uso a palavra “poderá” já que não sei que tipo de bênção Deus dará, mas sei que ele irá lhe abençoar — se não nesta vida, na próxima. Jamais poderemos dar mais do que Deus. 

2. Deus Deve Aprovar a Minha Abordagem

Eu posso facilmente achar que a minha abordagem em particular é a que Deus gosta. Por exemplo, eu tendo a comprar roupas na promoção ao invés do preço normal, e posso facilmente desprezar aqueles que não fazem o mesmo. Mas é claro que há coisas nas quais eu gasto dinheiro, como tomar um café decente ou sair pra tomar uma cerveja, que outros podem considerar um luxo desnecessário.

Então aqui está o problema. Todos podemos cair no perigo de achar que Deus gosta daquilo que, por acaso, nós fazemos, e então desprezar outras maneiras de fazê-lo. Mas não devemos igualar nossas decisões financeiras pessoais com santidade e usá-las como um padrão para julgar. Embora possamos ver o que os outros estão gastando, raramente podemos saber o porquê. O que precisamos é de uma boa dose de auto-consciência e honestidade, respeito por outras abordagens, e a capacidade de discutir decisões financeiras com clareza e amor. Vale a pena nos perguntarmos perguntas como:

O que consideramos um bom uso do dinheiro? Por quê? 
O quê, em minha formação ou personalidade, molda meu uso do dinheiro? 
A quem eu desprezo pelo seu uso do dinheiro? Por quê? 
Em que área eu sou orgulhoso ou hipócrita em relação a finanças?
Qual é o lado positivo da moeda? De modo simples, é que é possível que Deus de fato goste da minha abordagem porque eu tenho me esforçado pra ser um mordomo honesto, generoso e auto-consciente. Claro, isso deve significar que eu reconheço que Deus pode gostar da abordagem de outros tanto quanto eu gosto da minha.

3. Deus Prefere Independência Financeira

O Senhor aprova o homem ou mulher que trabalha duro e que se sustenta ao longo da vida?

Devemos começar dizendo sim. Deus aprova o trabalho duro, e as pessoas devem prover para si mesmas (2 Ts. 3:10). Você provavelmente pode prever que há um “porém”. Sim, Deus aprova do nosso trabalho e ganho, mas não sem a atitude correta. Em muitas culturas, o sustento próprio é presumido ou admirado. A pessoa que começa seu próprio negócio e tem êxito é respeitada. Ela se “auto-construiu”.

Não é o sucesso que é o problema; é a perspectiva de como o mundo funciona. Tudo o que temos vem de Deus em primeiro lugar: nosso tempo, nossa energia, nossos talentos, os recursos naturais com que trabalhamos, a força que usamos — tudo. Não existe, portanto, tal coisa como independência financeira. Quer nós reconheçamos ou não, nós sempre dependemos de Deus. Como Davi orou, “Tudo vem de ti, e nós apenas te demos o que vem das tuas mãos.” (1 Cr. 29:14)

Tudo o que temos vem da mão de Deus, não meramente do ganho das nossas mãos. Qualquer coisa que possuímos vem dele, e qualquer coisa que damos a ele estamos apenas retornando. Nunca somos “auto-construídos”.

Portanto, sim, Deus gosta que trabalhemos e ganhemos, não dependamos de outros se possível. Mas jamais devemos começar a sentir que não dependemos de Deus.

Encontrando Alegria Verdadeira

Pensamento errado sempre leva a uma vida errada. Isto é tão verdadeiro com dinheiro como com qualquer outra coisa. 

Mas de uma maneira maravilhosa, o oposto também é verdade: pensamento correto leva a uma vida correta. E quando temos o nosso pensamento sobre o dinheiro correto — quando entendemos o que Deus realmente diz sobre o dinheiro — podemos encontrar alegria verdadeira.

Nota do Editor: Uma versão deste artigo apareceu em Premier Christianity.

 

Traduzido por Will Jessie Dias.

Compartilhar
CARREGAR MAIS
Loading